Mensagem Pastoral

A HUMILHAÇÃO QUE GERA EXALTAÇÃO

12 Mar 2017Pr. Hércio Fônseca

“Pois todo o que se exalta será humilhado, e o que se humilha será exaltado”
(Lucas 14.11)

A vida cristã é exercida na contradição entre o desejo de exaltação, de reconhecimento, de prestígio, de posição e a ordenança bíblica que devemos nos humilhar para sermos exaltados por Deus. Em muitos momentos da história bíblica, presenciamos o conflito do homem entre o conselho de Deus e os seus desejos pessoais de ocupar uma posição de destaque.

Não é novidade que vivemos uma verdadeira guerra entre as nossas vontades e os conselhos divinos. Não é fácil administrar a vontade humana e a submissão total e irrestrita à vontade de Deus. É triste testemunharmos, diariamente, os conflitos vividos por muitos que, embora tenham desejos de servir a Deus, permanecem presos aos sentimentos e às vontades da carne.

A Bíblia nos mostra que essas contradições são antigas. Os nossos patriarcas vivenciaram essa realidade cedendo ao desejo de ter posição e presunção de excelência, conduzindo-os ao trono de Satanás. Vemos, como exemplo dessa realidade, a doutrina de Balaão que o levou à idolatria e o fez experimentar a mistura entre o santo e o profano.

Precisamos entender que o cristianismo e o humanismo não andam juntos. Não fazem acordo. No Cristianismo, a soberania do Deus trino é o ponto de partida, e este Deus fala através de sua Palavra infalível. No humanismo, a soberania do homem e do Estado é o ponto de partida, e é a palavra dos homens, da elite e da ciência que deve ser ouvida.

Uma das coisas que mais me preocupa em nossos dias é o humanismo camuflado de cristianismo. É um tipo de cristianismo em que o “eu” continua intacto, no trono da sua vida. As mudanças são periféricas, não atingindo valores, estilo e o alvo de Deus para uma vida conformada à imagem de Seu Filho, Jesus Cristo.

Vemos essa atitude tomando conta dos nossos púlpitos quando muitos líderes religiosos oferecem a satisfação pessoal como alvo principal de suas vidas. Muitos cristãos estão sendo estimulados a buscar o sucesso, a fama e o dinheiro segundo o padrão deste mundo. Essas pessoas estão buscando “sentir prazer” nas reuniões, o que diverge totalmente dos ensinamentos bíblicos.

A religião do prazer pessoal entra em contradição com a Palavra de Deus e vai de encontro ao que nos foi ensinado por Jesus. O cristianismo sem cruz, que vai ao encontro do egoísmo, da cobiça, da busca do poder e prazer pessoal, fere a verdade de Deus e nos afasta dos seus propósitos.

Não podemos permitir que esse sentimentos e essas atitudes se tornem naturais e corriqueiras em nossas vidas. Devemos lembrar que o verdadeiro cristianismo implica submissão, humilhação e reconhecimento de que para sermos exaltados precisamos ser humilhados.

Voltar